Princípio de tornado deixa feridos em Francisco Beltrão, no Paraná

O número de feridos na tempestade que atingiu a região sudoeste do Paraná na noite de segunda-feira (13) aumentou de 19 para 23, segundo a Defesa Civil Estadual. Desses, 20 estavam em Francisco Beltrão e três em Mariópolis. O município de Vitorino também foi atingido pelo vendaval, mas não houve feridos. Quinze das vítimas em Francisco Beltrão estavam em uma festa de aniversário em uma residência que foi levada pelo vento que chegou a 115 km/h, segundo o Somar Meteorologia.

chuvamariopolisadri1

De acordo com o Instituto Tecnológico Simepar, há a possibilidade de que o temporal tenha sido, na verdade, um tornado. Contudo, até a manhã desta terça, ainda não era possível confirmar essa informação. Mais de 60 casas foram danificadas. Pelo menos cinco delas foram totalmente arrancadas pelo vendaval. Todas ficavam na área rural de Francisco Beltrão.

Dez dos feridos estão em observação em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e oito estão internados no Hospital São Francisco.

Servidores municipais e a Defesa Civil estão percorrendo na manhã desta terça as regiões mais atingidas do município, como o Bairro São Francisco e a área rural. “Os prejuízos são de grande monta e são muito maiores do que imaginávamos”, disse ao G1 o prefeito Antonio Cantelmo Neto. “Estamos fazendo o levantamento do que será necessário para recompor a cidade e auxiliar as vítimas, como telhas e medicamentos, e avaliando os estragos com a coordenação da Defesa Civil. Se for necessário, vamos decretar situação de emergência no município”, adiantou.

A tempestade também arrastou carros e caminhões, derrubou árvores e postes e matou animais nas propriedades rurais. Além de Francisco Beltrão, há registros de estragos nas cidades de Barracão, Ampere, Santo Antônio do Sudoeste, Pranchita e Bom Jesus, todas próximas à fronteira com a Argentina.

Durante a madrugada, equipes dos Bombeiros, do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), da Polícia Militar e da Defesa Civil devem auxiliar os moradores. Pela manhã, está prevista uma vistoria mais detalhada em toda a cidade, para que os estragos sejam avaliados de forma mais precisa.

Nuvem funil

Foto: Vanin Aparecido / Arquivo pessoal

Foto: Vanin Aparecido / Arquivo pessoal

Ainda na segunda, um morador de Realeza, também no sudoeste, havia registrado a formação de uma nuvem funil. A nuvem tem o formato semelhante à de um furacão, mas não toca o solo.

De acordo com o metereologista do Instituto Simepar, Samuel Braun, esse tipo de fenômeno é esperado na região por causa das condições climáticas.

“Ela [a nuvem] é um estágio incial de um tornando, mas além de tocar o solo, ela tem que provocar destruição para se caracterizar um tornado. Porém, a condição meteorologica é favorável para esse tipo de evento”, explicou.

O Simepar também informou que as chuvas devem continuar na região até o fim da semana.  Acredita-se que o acumulado de chuvas que deve cair em algumas cidades possa passar de 100 milímetros. No caso de Francisco Beltrão, a média para todo o mês de julho é de 135 milímetros de chuva.

Chuva no estado
A chuva que atinge o Paraná desde a tarde de sexta-feira (10) causou prejuízos para 12.504 moradores de 35 municípios, segundo o boletim divulgado pela Defesa Civil Estadual às 8h30. Mais de 1.880 tiveram as casas danificadas e 143 ficaram desalojados. Destes, 14 estão desabrigados. Entre as ocorrências atendidas pela Defesa Civil estão alagamentos, destelhamentos e granizo.

Para esta terça, o Simepar prevê mais temporais para várias regiões do Paraná, em especial para o oeste, sudoeste, centro e sul, na divisa com Santa Catarina. Do centro para o norte e no leste, o sol aparece entre nuvens, e as chuvas – provocadas por uma frente fria que se desloca pelo Sul do país – ocorrem a partir da tarde.

Texto: G1

Fotos: Adriana Loduvichak / RPC

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image[ Atualizar Imagem ]