Uma profissão baseada no amor

Dos primeiros aprendizados da sua vida aos conhecimentos mais específicos do seu curso superior, dos rabiscos das primeiras palavras e frases as difíceis fórmulas matemáticas o papel do PROFESSOR é fundamental. Muito provavelmente você lembra com carinho de algum educador ou educadora que tenha marcado sua trajetória, e isso é mais do que normal, afinal, é na escola que muitas de suas características se formam e além da família, são os professores que acompanham de perto mudanças e transformações.  

Para comemorar a existência de um profissional tão importante, o dia 15 de outubro foi instituído no Brasil como o Dia do Professor. A data faz menção ao dia 15 de outubro de 1827, Dom Pedro I, Imperador do Brasil, decretou uma Lei Imperial responsável pela criação do Ensino Elementar no Brasil (do qual chamou “Escola de Primeiras Letras”), e através deste decreto todas as cidades deveriam ter suas escolas de primeiro grau.

Dedicação aos pequenos

O laço criado entre aluno e professor é maior durante os primeiros anos de ensino infantil, quando as professoras ou professores ainda são as tias ou tios. Nas creches e escolas infantis, o aprendizado é baseado no carinho e dedicação dos e das profissionais com as crianças.

Responsáveis pelos anos iniciais, são os professores do ensino infantil que muitas vezes presenciam as primeiras falas, os primeiros passos e veem de perto a evolução dos pequenos. Essa responsabilidade é vivenciada pelas professoras da E.M.E.I Professora Ceci Capuani, de Frederico Westphalen.

Educadora há 23 anos, e atualmente ocupando o cargo de Diretora da escola, a professora Vera Bonatto tem a experiência do contato próximo com as crianças. Ela comenta sobre o valor afetivo recebido, em muitos casos tão importante quanto o financeiro: 

Da mesma forma, a professora Marli Barro, que atua na profissão há 20 anos, destaca a responsabilidade em ser educadora, principalmente no ensino infantil:

Nas escolas infantis a criança começa a experimentar o mundo fora do núcleo  familiar, faz novos amigos, aprende a conviver com as diferenças e faz várias descobertas em todas as áreas do conhecimento. E essas descobertas também são motivo de alegria para os professores, como conta a prof. Simone da Silva:

Além das horas dedicadas em sala de aula, durante o resto do dia é difícil dissociar a profissão de professora. É o que relata a prof Silvana Argenta:


Os passos da formação

Os anos iniciais são de extrema importância para nossas crianças e os passos seguintes também desempenham papel fundamental na formação das primeiras visões de mundo, conhecimentos gerais, personalidade e caráter. São com responsabilidades como estas, de ensinar e educar pequenos cidadãos que os professores do Ensino Fundamental trabalham diariamente.

Atuando há mais de oito anos como educadora, Liliane Rodrigues que leciona aulas para o Ensino Fundamental e Médio da Escola Sepé Tiarajú, tem os alunos como uma segunda família. Apaixonada pela profissão, ela comenta que investe em uma educação mais humana, pois acredita que, muitas vezes, a teoria não é o suficiente:

É o desejo de um mundo melhor que motiva não só Liliane, mas inúmeros professores a dedicar horas em planejamento de aulas e atividades para envolver os alunos:

Apesar de estatísticas mostrarem um desinteresse por parte dos estudantes de licenciatura seguir dentro das salas de aula, a profissão de professor ainda é almejada por muitos. Mesmo com todas as dificuldades e percalços, a carreira de professor é muito importante e oferece oportunidade para que as pessoas não só acumulem saberes, mas também oportunizem à outras pessoas o desenvolvimento das diferentes formas de conhecimento.

Professores são espelhos

É durante os três anos do ensino médio que as responsabilidades pesam para os estudantes. A decisão de que carreira seguir e a realidade de ingressar no ensino superior muitas vezes assustam e, nestes momentos, o papel do professor também é imprescindível.

A diretora da Escola de Educação Básica da URI/FW, Márcia Dalla Nora, que também ministra aulas para o Ensino Médio, vê a educação como uma ferramenta de transformação e destaca que cada etapa de aprendizado merece uma atenção diferenciada:

Liliane também entende que este momento na vida dos estudantes envolve diferentes fatores e que a forma com que o professor trabalha dentro de sala de aula é fundamental  para o bom desenvolvimento do aluno:

Os professores são espelhos para os estudantes, principalmente para aqueles que pretendem seguir a mesma profissão. Márcia frisa sobre a desvalorização da categoria, mas também destaca que os resultados da dedicação são gratificantes:


Formadores de profissionais qualificados

 

Em Frederico Westphalen, considerada uma cidade universitária, não há como não mencionar o trabalho dos professores do nível superior. Além de propiciar o conhecimento específico, os professores universitários convivem com expectativas dos diferentes tipos de estudantes que recebem em suas salas diariamente.

Lecionando há mais de 12 anos dentro da Universidade, o professor do curso de Engenharia Florestal, Edson Cantarelli, vê seu cargo não apenas como um emprego, mas uma oportunidade. Ele também entende que a docência lhe oportuniza aprendizados diferentes todos os dias:

Formar cidadãos profissionais para o mercado de trabalho é uma missão de muita responsabilidade, ao mesmo tempo que propicia um enorme orgulho para os professores, sentimento que possibilita um relacionamento de carinho e afeto mútuo entre professores e estudantes.

Professores de aulas e de lutas

Se a importância dos professores para a sociedade é uma certeza de todos, a pergunta que fica é o porquê ainda, em muitos casos, esses profissionais são desvalorizados? Esse questionamento é feito diariamente pelos  professores de todo o país.

A Diretora Geral do 26° Núcleo do Cpers Sindicato, prof. Maria Cleni da Silva, acompanha de perto as dificuldades pelas quais passam muitos professores. Ela comenta que, mesmo com tantos problemas, os educadores continuam em luta por melhores condições sem abandonar o dever de ensinar:

A desvalorização da profissão torna o sonho com a carreira docente cada vez mais raro. De acordo com levantamento feito pelo Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional (Iede), com base nos dados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) de 2015, apenas 3,3% dos estudantes brasileiros de 15 anos querem ser professores. Quando se trata daqueles que querem ser professores em escolas, na educação básica, esse percentual cai para 2,4%.

Mesmo assim, quem ainda nutre o sonho de lecionar sabe que o lado financeiro não é  o único atrativo. Vocação e entrega trazem para o profissional coisas que o dinheiro não costuma comprar, como carinho e afeto de muitos alunos, que com o passar dos anos ainda guardarão na memória as lembranças de seus professores.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image[ Atualizar Imagem ]