Abastecimento de água preocupa moradores do interior de FW

Preocupados com o abastecimento de água, moradores de quatro comunidades de Frederico Westphalen reuniram-se na segunda-feira, 10, com o presidente da Câmara de Vereadores, João Francisco Vendruscolo, e representantes do Executivo Municipal, para discutir alternativas à falta de água.
 
O encontro, realizado na sede da Linha Manfio, também contou com a presença de moradores das linhas Vanelli, Boa Esperança e São José, além da secretária Municipal da Fazenda, Simone Duarti da Silva, e do secretário de Coordenação e Planejamento, Lucas Aguiar.
 
O poço localizado na linha Boa Esperança, que foi perfurado há mais de 18 anos, tem cerca de 330 metros de profundidade e a bomba se encontra a 324 metros. De acordo com o tesoureiro da associação que administra o poço e a respectiva rede de água, Sandro Strak, no início eram em torno de 40 famílias abrangidas, mas esse número foi crescendo, gradativamente, ao longo dos anos e atualmente são mais de 90 unidades.
 
Conforme Strak, mesmo com o aumento da quantidade de famílias beneficiadas e, consequentemente, maior consumo, a vazão média de 10 mil litros/hora sempre foi suficiente. No entanto, embora ainda não tenha sido feita nova medição, os moradores acreditam que a capacidade do poço tenha sido reduzida pela estiagem, fazendo com que o problema da falta de água seja registrado pela primeira vez desde que foi perfurado.
 
Para garantir o abastecimento de todas as residências, as duas caixas de 20 mil litros cada que destinam água aos ramais precisam estar com pelo menos 15 mil litros, o que não está mais acontecendo, segundo Strak. Por isso, pelo menos seis famílias chegam a ficar até dez dias sem abastecimento, sendo necessário recorrer à Secretaria Municipal de Obras, Viação e Serviços Urbanos, através de caminhão-pipa.
 
“Na semana passada, vieram quatro caminhões da Prefeitura no mesmo dia, mas como estava todo mundo sem água, a rede toda, no outro dia de manhã as caixas estavam secas”, revelou Strak.
 
Dessa forma, segundo o tesoureiro, os moradores decidiram convocar a reunião para discutir uma solução para o problema da falta de água.  Para Strak, uma possível solução seria a perfuração de dois novos poços artesianos, com a divisão da rede. “O consumo está sendo muito grande e sem água ninguém fica; então a gente sabe que para fazer um poço artesiano hoje não seria barato e precisa de um apoio da Prefeitura”, ressaltou.
 
Após ouvir as reivindicações, o presidente João Francisco Vendruscolo lembrou que a escassez de água é um problema que atinge outras comunidades há alguns anos, porém não na proporção que está ocorrendo nesse período, desde o final do ano passado. De acordo com a secretaria de Obras, as linhas Garlet, Alecrim, Brondani, Santos Anjos, Alto Alegre, São Paulo, Barra do Braga, 21 de Abril, São José, Barrilense, Vilinha, Alecrim, Querubim, Iraí, além do Distrito de Castelinho, já receberam e continuam recebendo água potável através do caminhão-pipa. Em função disso, o município anunciou hoje, inclusive, a assinatura do decreto que declara Situação de Emergência devido à estiagem.
 
Diante desse cenário, Vendruscolo reforçou a necessidade de mobilizar a comunidade no sentido de manter hábitos diários visando a economia de água, e ratificou o apoio à demanda das comunidades na busca por uma solução para normalizar o abastecimento dos moradores. Representando o Poder Executivo, os secretários municipais se mostraram sensíveis à demanda, e disseram aguardar solicitação formal, com os devidos encaminhamentos e previsão orçamentária, para dentro da legalidade firmar parceria para a perfuração de poço artesiano.

 

*Ascom – Câmara de Vereadores de FW

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image[ Atualizar Imagem ]