Rio Grando do Sul apresenta 1º caso suspeito de microcefalia provocada pelo vírus Zika

Até o último sábado, 12, foram notificados 2.401 casos de microcefalia em 549 municípios de 20 unidades do país. Desses, 134 foram confirmados como tendo relação com o vírus Zika, 102 foram descartados (não têm relação com a doença) e 2.165 estão em investigação. Os números foram divulgados hoje, 15, pelo Ministério da Saúde.

O balanço mostra ainda que 29 óbitos por microcefalia foram notificados, desde o início do ano: um no Ceará, confirmado como tendo relação com o vírus Zika; dois casos no Rio de Janeiro, descartada a relação com o zika; e 26 estão em investigação.

Em relação ao boletim anterior, divulgado pela pasta na semana passada, seis estados entraram para a lista de unidades com casos suspeitos de microcefalia provocada pelo vírus Zika: Espírito Santo, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, São Paulo e Rio Grande do Sul.

O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass),  informou que o caso notificado de microcefalia no Estado do Rio Grande do Sul ainda está em investigação.  — É uma mulher, que quando gestante, esteve nos locais de maior circulação do zika vírus, por isso estamos analisando o caso — disse Gabbardo.

Protocolo

O diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch, avaliou que a implantação do novo protocolo emergencial para os casos de microcefalia relacionados ao vírus Zika pode levar um certo tempo e que isso faz com que a maior parte dos casos permaneça com a classificação de suspeito.

Ontem, 14, a pasta divulgou o Protocolo de Atenção à Saúde e Respostas à Ocorrência de Microcefalia Relacionada à Infecção pelo Vírus Zika. Segundo Maierovitch, é preciso que estados e municípios divulguem essas normas e capacitem suas equipes de saúde. “Nossa orientação é que, caindo naquele critério classificado como suspeito, o caso deve ser notificado”, disse.

Recomendações

O secretário lembrou ainda que, em razão das festas de fim do ano, muitas pessoas viajam e deixam as residências fechadas. “É preciso fazer uma verificação minuciosa em toda a habitação, tanto na parte interna como no quintal, nas coberturas e em qualquer lugar que possa servir como criadouro do mosquito”, disse Maierovitch.

A orientação do ministério é que as pessoas que vão viajar para áreas onde há circulação do vírus Zika – sobretudo gestantes – se protejam do mosquito por meio do uso de repelente e de roupas como calças e camisetas de manga comprida.

Ações em Frederico Westphalen

Na manhã de ontem, 14, foi realizada uma reunião emergencial para tratar do reajuste do plano de enfrentamento ao mosquito transmissor no município. Além disso, os casos suspeitos de Dengue, estão sendo analisados mais vezes a fim de saber se possuem ligação com o Zika Vírus ou a Febre Chikungunya.

Confira os sintomas de cada doença transmitidas pelo Aedes Aegypti:

tabela_DengueZikaChikungunya

Foto: Estadão Conteúdo

Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image[ Atualizar Imagem ]