Para celebrar o campesinato: 5ª Festa da Semente Crioula já tem data marcada

Um evento especial está sendo preparado pelo Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA): a quinta edição da Festa da Semente Crioula. Trata-se de um evento referencial, para celebrar algumas das tradições mais simbólicas do campesinato, como a profunda relação com a terra e o respeito ao ciclo natural da vida, particularmente representado na seleção e partilha das sementes. A festa será realizada  durante todo o dia 2 de fevereiro (sábado), na sede da Cooperbio, Linha Tesoura, Seberi.

Representante do MPA e uma das organizadoras do evento,  Débora Varoli, destaca sobre a já tradicional festa e a importância da mesma para a comunidade: 

.
Marcos Oliveira, também integrante do MPA, traz detalhes sobre a programação: 

.
Além do tradicional cardápio camponês, incluindo muitos pratos a base de milho crioulo, grande variedade de saladas orgânicas e carne de porco preparada no tacho, estão previstas inúmeras atrações festivas, culturais e simbólicas como: troca de sementes crioulas, rodas de prosa e debates, apresentações musicais, feira de produtos agroecológicos e artesanatos, entre outras. As atrações iniciam às 9h e é aberto à toda comunidade. Ingressos para o almoço podem ser adquiridos no valor de R$ 20 junto a equipe organizadora pelo e-mail cooperbio.alimergia@gmail.com ou pelo telefone (55) 9  9963-4234.

O que são sementes crioulas?

São sementes guardadas, reproduzidas e melhoradas milenarmente por comunidades tradicionais. São sementes que foram mantidas e selecionadas por várias gerações através dos agricultores camponeses. Estas sementes guardam em si a riqueza da seleção natural e, por isto, devem ser preservadas e disseminadas. Normalmente são sementes que vieram de plantas cultivadas organicamente, sem uso de pesticidas, inseticidas ou adubos químicos, comprovando que é possível descartar esse tipo de produtos nocivos, bem como evitar que se recorra a sementes geneticamente modificadas. Os fundamentos dessa cultura estão na tradição passada de pai para filho, na troca, na agroecologia, na defesa da diversidade de plantas e cultivos e na preservação das espécies nativas.

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image[ Atualizar Imagem ]