Os desafios da gestão do MTG em meio a pandemia

Gilda Galeazzi, presidente do MTG conta como está sendo a gestão no cenário atual 

Uma gestão rodeada de desafios. A atual presidenta do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), Gilda Galeazzi, vivencia momentos de aprovações desde a campanha até os dias atuais. Antes de ingressar oficialmente ao cargo de presidenta do MTG, a vitória da chapa de Gilda precisou passar por processos jurídicos para ser validade. Através de uma liminar, a chapa que Gilda defende, ganhou o mérito e saiu como a vencedora oficial.

A eleição marcou a história do MTG, que em 53 anos, teve duas mulheres na disputa pela presidência, e também o empate de 530 votos entre as chapas. Conturbada e com algumas incertezas, o início da coordenação não iniciou como era esperado por Gilda, ainda mais, quando a Pandemia chega e muda os planos de gestão “Toda a burocracia jurídica somou um atraso de 15 dias para tomarmos posse. Tomamos posse no dia 29 de janeiro, com 40 dias de administração nos deparamos com a Pandemia. Todas as atividades, eventos, que precisam de aglomerações foram cancelados”, contou Gilda.

Com Eventos cancelados, espaços fechados, vazios, rodeios suspensos, ensaios e apresentações adiadas. Uma realidade vivenciada por diversos setores, mas que foi considerada um choque sem perspectivas por aqueles que fazem parte ativamente das tradições gaúchas, mais de mil entidades precisaram fechar suas portas e se reinventar. 

Um dos caminhos encontrados pela presidenta do MTG e pelos demais integrantes da coordenação atual, são os editais a fim de arrecadar capital e auxiliar no sustento do movimento. Conforme contou Gilda, diversas atividades, oficinas foram oferecidas às entidades através dos editais, assim como o apoio de emendas parlamentares, “Estamos esperançosos com a Lei Aldir Blanc, que vai buscar complementar a grande maioria das entidades. Conseguimos incluir na lei os ctgs como centro cultural”, contou. O recurso da Lei Aldir Blanc gira em torno de 4 a 10 mil reais, por três meses, dependendo do tamanho da entidade. O auxílio ajudará na manutenção dos artistas e cumprimento das obrigações fiscais. Muitos ctgs ao longo do estado precisaram demitir colaboradores, 

A programação da Semana Farroupilha, que iniciaria oficialmente nesta semana, precisou ser modificada e o MTG deixou a cargo de cada entidade e coordenadorias regionais, a forma mais viável de celebração. O acendimento único da chama crioula, que seria em Canguçu, precisou ser cancelado e transferido para o ano que vem, “As entidades estão precisando ser criativas, utilizando das redes sociais, plataformas. Estão se reinventando. Sempre digo que  a felicidade, se constrói, ou se é feliz ou é infeliz, mas o amor a tradição isso não se constrói, já vem de berço. Unindo a felicidade e o amor, tenho certeza que faremos um setembro diferente, mas com muito amor nas nossas tradições,” concluiu Gilda. 

Confira a entrevista completa:

Praça da Matriz sem Acampamento Farrapo 

Se a nível estadual há muitas dificuldades devido a pandemia, a nível municipal as entidades tradicionalistas também encontram um cenário preocupante. A rotina de Frederico Westphalen durante a Semana Farroupilha era típica de um acampamento, tendas, apresentações, shows, desfiles. No entanto, nenhuma atividade com aglomerações poderá ser realizada. 

Conforme a Secretaria da da 28 RT e Sota Capataz do CTG Rodeio da Querência, Mirtes Quadro, as entidades tradicionalistas vem enfrentando dificuldades financeiras e mantendo estritamente o distanciamento social, utilizando as mídias sociais para se adaptar a nova realidade “A 28 região manteve contato constante com as prendas e peões de faixa, realizando atividades online. Nossos patrões também tiveram que se adaptar a reuniões online, onde foram feitos encontros regionais”, contou Mirtes.

Uma das atividades realizadas entre as entidades ao longo da Pandemia, foi a Semana do Jovem Tradicionalista, que contou com oficinas de artesanatos, plantação de árvores na sede campeira dos peões, venda de mondongos em porções.  “Realizamos algumas atividades para ir mantendo o financeiro, todas com restrições e poucas pessoas”, destacou  

Para celebrar  o momento, respeitando as restrições, está previsto o hasteamento das bandeiras do CTG Rodeio da Querência e do Piquete Alto Alegre na Praça da Matriz. Entre as preocupações e os efeitos da paralisação das invernadas, é o futuro das entidades e o retorno das crianças “Hoje não sabemos como será a retomada das atividades e nem quando isto vai acontecer. É triste e difícil ver nossa semana farroupilha assim”, enfatizou Mirtes.  As entidades de Frederico Westphalen poderão se inscrever para receber o auxílio emergencial estabelecido pela Lei Aldir Blanc. 

Na sexta-feira, 18, será servido  uma feijoada aos tradicionalistas e no domingo, 20, distribuído um churrasco.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image[ Atualizar Imagem ]