Butantan vê clima antivacina por “politização” e Anvisa nega interferência

Em audiência realizada no Congresso Nacional nesta sexta-feira, 13, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Instituto Butantan voltaram a divergir sobre o acerto ou não de interromper testes da Coronavac, imunizante desenvolvido pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o laboratório paulista. 

O diretor do Butantan, Dimas Covas, disse que a “politização” sobre este e outros episódios que envolvem a imunização cria clima contrário às vacinações. “Todas as questões relativas às vacinas obviamente que têm impacto na população”, afirmou ele, citando queda em coberturas de vacinação de poliomielite e sarampo.

Covas disse que “correr para essa vacina” é “fundamental”. Além disso, pediu “bom senso” em decisões sobre a pandemia. “Vivemos tempos excepcionais, de urgência e calamidade. Nada melhor do que o bom senso em favor da vida. Obviamente que não deixaremos sem esclarecimento nenhum evento, nenhuma reação adversa que seja suficiente para interromper ou causar alguma dificuldade ao estudo”, disse ele. 

A agência anunciou a suspensão na noite de segunda-feira e o retorno dos testes na tarde de quarta após análise de um “evento adverso grave inesperado”. O governo paulista negou relação do caso com a vacinação. O mal-estar entre a Anvisa e o instituto se agravou após o presidente Jair Bolsonaro tratar, nas redes sociais, a interrupção como uma vitória pessoal sobre o governador João Doria (PSDB).

No Congresso Nacional, o presidente da Anvisa, contra-almirante Antonio Barra Torres, afirmou que a interrupção dos estudos foi “técnica” e defendeu a autonomia e isenção do órgão. “Interferência política na agência, são duas palavras: não há.”

Dimas Covas voltou a afirmar que espera apoio do governo federal na compra de doses da Coronavac. Segundo ele, o impacto financeiro será “imenso” sem o investimento do Ministério da Saúde. Ele lembrou que houve acordo preliminar com o Ministério da Saúde sobre a compra das vacinas. “Esperamos que esse interesse permaneça.” No fim de outubro, no entanto, Bolsonaro desautorizou o ministro Eduardo Pazuello e disse que a parceria não será feita. 

A “guerra política” sobre as vacinas também pressiona a Anvisa. O presidente da agência reconheceu que a disputa existe, mas negou impacto no órgão. Parte das críticas à Anvisa, no entanto, ocorrem justamente porque Barra Torres esteve em ato pró-governo, sem máscara, ao lado de Bolsonaro, em 15 de março. A manifestação foi marcada por aglomerações, pedidos de intervenção militar e provocações ao Congresso e Supremo Tribunal Federal (STF). 

No momento em que isenção da agência é questionada, Bolsonaro indicou na quinta-feira, 12, o nome do tenente-coronel Jorge Luiz Kormann à direção do órgão. Nas redes sociais, o militar endossa manifestações contrárias à Coronavac, OMS e outras teses reprovadas dentro da própria Anvisa. A aprovação do novo diretor exige aval do Senado.

 

*Correio do Povo 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image[ Atualizar Imagem ]