Bento XVI reconhece testemunho errôneo em caso de abuso na Alemanha

O papa emérito Bento XVI reconheceu nesta segunda-feira (24) que esteve em uma reunião de 1980 sobre um caso de abuso sexual quando era arcebispo de Munique, ele havia dito erroneamente aos investigadores alemães que não estava lá.

Um relatório divulgado na semana passada sobre abusos na arquidiocese de 1945 a 2019 disse que o então cardeal Joseph Ratzinger falhou em agir contra os clérigos em quatro casos de supostos abusos quando era seu arcebispo entre 1977-1982.

 

Na entrevista coletiva de quinta-feira (20) em Munique, os advogados que investigaram o abuso responderam a uma afirmação de Bento XVI em uma declaração de 82 páginas de que ele não se lembrava de ter participado de uma reunião em 1980 para discutir o caso de um padre abusador.

Eles disseram que isso contradizia os documentos em sua posse. Em um comunicado na segunda-feira, o secretário pessoal do papa emérito, o arcebispo Georg Ganswein, disse que Bento XVI participou da reunião, mas a omissão “foi resultado de um descuido na edição da declaração” e “não foi feita por má fé”.

Ganswein disse que nenhuma decisão foi tomada na reunião de 1980 sobre uma nova designação para o padre, mas apenas um pedido para fornecer acomodação durante o tratamento terapêutico. “Ele (o Papa Bento XVI) sente muito por esse erro e pede desculpas”, disse Ganswein.

Ele disse que Bento XVI planeja explicar como o erro aconteceu depois que ele terminar de examinar o relatório de quase 2.000 páginas, enviado eletronicamente na última quinta-feira.

Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


CAPTCHA Image[ Atualizar Imagem ]